Connect with us

Mundo

Justiça cassa liminar que suspendia glifosato, aliviando receios sobre nova safra

Publicado em:

on

BRASÍLIA (Reuters) – O Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1) derrubou nesta segunda-feira liminar do início do mês passado, da Justiça Federal de Brasília, que determinava a suspensão de registros de produtos à base de glifosato e outros dois agroquímicos, abamectina e tiram. Herbicida Roundup da Monsanto, que contem glifosato, é pulverizado em plantação 06/05/2018 REUTERS/Benoit Tessier

Caso a decisão não fosse cassada, os registros dos produtos que utilizam essas substâncias seriam suspensos a partir desta segunda-feira, trazendo problemas para agricultores. O glifosato, por exemplo, é um herbicida usado em larga escala no Brasil, onde a soja e o milho transgênicos resistentes ao agroquímico são dominantes nas lavouras.

A decisão de primeira instância da Justiça Federal, do dia 3 de agosto, havia determinado que a União suspendesse, no prazo de 30 dias, o registro de tais produtos até a conclusão pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de procedimentos de avaliação toxicológica.

Em sua decisão, o presidente em exercício do TRF-1, desembargador Kássio Marques, acatou recurso da Advocacia-Geral da União por entender que está caracterizada a “grave lesão à ordem pública” na suspensão do uso dos produtos.

“Nada justifica a suspensão dos registros dos produtos que contenham como ingredientes ativos abamectina, glifosato e tiram de maneira tão abrupta, sem a análise dos graves impactos que tal medida trará à economia do país e à população em geral…”, disse o desembargador.

Ele lembrou na decisão que tais produtos questionados “já foram aprovados por todos os órgãos públicos competentes para tanto, com base em estudos que comprovaram não oferecerem eles riscos para a saúde humana e para o meio ambiente”.

No recurso ao TRF-1, a AGU tinha defendido a revogação imediata da proibição e destacado que o impedimento, se mantido, geraria “grave risco de lesão à ordem econômica”.

REPERCUSSÃO

O glifosato é um herbicida utilizado em importantes lavouras brasileiras, especialmente na soja, o principal produto de exportação do Brasil, o maior exportador global da oleaginosa.

A decisão judicial veio em momento em que produtores se preparam para o plantio da nova safra, a qual deve ser recorde, podendo superar os 120 milhões de toneladas, segundo algumas consultorias.

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, comemorou a decisão em sua conta no Twitter.

“Agora sim, a boa notícia!! Enfim, o TRF-1 suspendeu a liminar que proibia o uso do glifosato!”, afirmou Maggi.

No fim do mês passado, ele, que também é um importante empresário do setor agrícola, havia dito equivocadamente que a liminar fora derrubada.

Para o gerente de Economia da Abiove, associação que representa a indústria de oleaginosas, Daniel Furlan Amaral, a sentença do desembargador Kássio Marques foi “bastante ponderada” e ocorreu a tempo de os produtores se prepararem para o plantio.

“O setor agora tem condição de se preparar adequadamente, para que o produto seja repensado ou validando que ele não oferece riscos à saúde. O importante é que essa decisão garante que o glifosato continue sendo usado e que novas discussões sejam feitas de maneira adequada, sem suspensões abruptas”, afirmou.

A gigante Bayer, que recentemente adquiriu a norte-americana Monsanto, que comercializa transgênicos resistentes ao glifosato, também comemorou a decisão.

“Isso é realmente uma boa notícia para os produtores brasileiros, que usam herbicidas à base de glifosato para controlar ervas daninhas e ajudar suas lavouras a crescer de modo seguro e efetivo”, afirmou em nota Liam Condon, integrante do Conselho da Bayer e presidente da Divisão de Crop Science.

“O glifosato ajuda os produtores a cultivarem suas safras com menor impacto no solo e reduzida emissão de carbono.”

A indústria de agroquímicos tem afirmado que décadas de uso do glifosato e avaliações de órgãos oficiais comprovam que o herbicida é seguro.

A liminar contra o glifosato no Brasil surgiu na mesma época em que a Monsanto foi condenada a pagar uma indenização milionária a um jardineiro que trabalhava com o produto nos Estados Unidos.

Já o presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Luiz Carlos Corrêa Carvalho, ponderou que a derrubada da liminar “não é garantia” e que outras “decisões absurdas” podem ser tomadas. Logo após a suspensão dos registros dos produtos, Carvalho havia dito que a Justiça estava “brincando com o que não conhece”.

 

Por Ricardo Brito, em Brasília; reportagem adicional de José Roberto Gomes, em São Paulo

Faça um comentário

Mundo

Vídeo desesperador mostra momento que aluno chega fortemente armado para fazer chacina na universidade

Publicado em:

on

Mundo – Nesta segunda-feira (20), oito pessoas morreram e várias outras ficaram feridas em um ataque a tiros em uma universidade na cidade de Perm, na Rússia.

De acordo com informações, um estudante da Universidade Estadual de Perm entrou no campus e saiu atirando durante a manhã. Alunos e professores se trancaram nas salas de aula durante o ataque, mas outros, para fugirem do assassino, pularam da janela.

Rapidamente a polícia foi acionada e conseguiu matar o autor da chacina, que tinha 18 anos de idade.  Uma investigação criminal foi aberta após o atentado e um outro jovem, que foi baleado, foi preso por suspeita de ter ajudado no ataque criminoso.

Horas antes de adentrar a escola para realizar o atentado, o  estudante havia postado uma foto com um rifle, capacete e munição. Ele ainda escreveu em uma publicação a seguinte frase: “Eu pensei sobre isso por muito tempo, já se passaram anos e percebi que havia chegado a hora de fazer o que eu sonhava”.

Na publicação, ele indicou que suas ações não tinham nada a ver com política ou religião, mas foram motivadas pelo ódio.

Faça um comentário

Continue lendo...

Mundo

ALERTA: Vulcão nas Ilhas Canárias poderia provocar tsunami no Brasil

Publicado em:

on

Erupção do Cumbre Vieja foi confirmada hoje

Nós, brasileiros, aprendemos que fenômenos naturais como terremotos e vulcões não são motivo de preocupação. Mas esta semana trouxe uma notícia diferente. A atividade de um vulcão próximo à África teria capacidade de provocar efeitos na costa brasileira. O vulcão Cumbre Vieja, em La Palma – ilha que compõe o conjunto das Ilhas Canárias espanholas – têm o potencial de provocar um tsunami na costa brasileira.

O vulcão vinha aumentando sua atividade sísmica ao longo dos últimos dias e entrou em erupção neste domingo (19). Fontes de lava e nuvens de fumaça foram registradas no local. As Ilhas Canárias ficam localizadas a noroeste da África, próximas à costa do Marrocos e do Saara Ocidental.

Chances remotas

Para as atividades vulcânicas do Cumbre Vieja causarem impacto na costa brasileira seria necessário um grande colapso do vulcão. Se isso ocorresse, atingiria toda a costa brasileira, de norte a sul, bem como de outros países banhados pelo Oceano Atlântico. Essa possibilidade, no entanto, é considerada remota por especialistas.

Um estudo do pesquisador norte-americano George Pararas-Carayannis, presidente da Tsunami Society International, afirmou que esse tipo de colapso é “extremamente raro e nunca ocorreu na história registrada”. Além disso, ele afirmou que estudos recentes prevendo a geração de tsunamis a partir da erupção do Cumbre Vieja foram baseados em suposições incorretas.

Pararas-Carayannis acrescentou em seu estudo que uma “atenção e publicidade inapropriadas da mídia a tais resultados probabilísticos têm criado uma ansiedade desnecessária de que megatsunamis poderiam ser iminentes e devastar populações costeiras em localidades distantes da origem – nos oceanos Atlântico e Pacífico”.

Já o geólogo Mauro Gustavo Reese Filho, da Universidade Federal do Paraná, afirma em estudo que, ainda que as chances sejam remotas, a população costeira do Brasil deveria ser conscientizada. “Estudos mais recentes dizem que as chances de ocorrência são remotas e longínquas, no entanto, o estabelecimento de sistemas de alarme que possibilitam a evacuação de áreas é justificável quando se trata de vidas humanas”, afirmou Reese em seu trabalho, também citado pela Metsul Meteorologia.

O pesquisador brasileiro apontou a falta de cuidados preventivos na costa brasileira. Ele parte do princípio de que uma mera possibilidade de desastre já indica a necessidade de ações preliminares. “A possibilidade de ocorrência deste evento por si só deveria ser razão para a prevenção de todos os tipos de danos na costa brasileira, porém até o momento nada foi feito. A falta de informação é a principal causadora deste problema, pois inclusive no meio geológico muitas pessoas não sabem sobre tal fato”.

Vulcões

Um vulcão é uma estrutura geológica, em terra firme ou em alto-mar. Eles se formam a partir do choque de duas placas tectônicas, massas rochosas rígidas que formam a crosta terrestre e que deslizam sobre o manto – material subjacente de consistência plástica. Quando essas placas se chocam, uma mergulha sobre a outra, elas se fundem parcialmente e as rochas esquentam a mais de 1000 graus Celsius. Há o aumento de pressão e a crosta terrestre derretida sobe à superfície, formando vulcões e ilhas.

Os vulcões típicos têm formato cônico e montanhoso, mas de proporções variáveis. Essa estrutura cônica, como uma chaminé, comunica uma câmara subterrânea profunda com a superfície. Nessa câmara fica armazenado o magma, uma massa de rocha fundida de alta temperatura, constituída em grande parte de silicatos (tipos de minerais), misturados com vapor de água e gás.

A erupção começa com uma instabilidade no solo, acompanhada por tremores de terra. Formam-se fendas na região instável e consequente saída explosiva de gases, ejeção de água subterrânea e terra. A seguir, verifica-se a abertura e limpeza da chaminé e a expulsão de cinzas, blocos e bombas vulcânicas. Finalmente ocorre o derramamento de lava, que nada mais é do que o magma expelido à superfície e ainda em estado líquido.

Matéria atualizada às 16h10, após confirmação de que o vulcão havia entrado em erupção. Com informações da Reuters.

 

 

FONTE: Agência Brasil

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Faça um comentário

Continue lendo...

Mundo

ASSUSTADOR: Vulcão Cumbre Vieja entra em erupção no Arquipélago das Canárias

Publicado em:

on

Erupção é a primeira na Ilha de La Palma desde outubro de 1971

Nos últimos dias, intensificaram-se os sinais de atividade sísmica nas Canárias, comunidade autônoma espanhola, que levou à retirada de animais e de 40 pessoas com problemas de mobilidade. O vulcão entrou em erupção no início da tarde, pelas 15h15 horas locais (14h15 GMT). A ilha está sob alerta amarelo.

Várias imagens mostram uma coluna de fumaça sobre uma colina, e as redes sociais encheram-se de vídeos, com um deles a captar lava.

“A erupção começou na zona de Cebeza de Vaca, em El Paso”, informou, em conta no Twitter, o governo local. As zonas mais próximas do vulcão começaram a ser evacuadas, apesar da zona onde a erupção está a ocorrer não ser habitada, confirmou o presidente das Canárias, Ángel Víctor Torres.

Os serviços de emergência estão de prevenção para a eventualidade de terem de evacuar cerca de 1 milhão de pessoas, alertaram as autoridades.

Nas 24 horas anteriores à erupção do Cumbre Vieja, um vulcão com 1.949 metros de altitude, a crise sísmica registrada ao longo da semana agravou-se, e a ilha foi sacudida por diversos abalos, o mais grave dos quais atingiu a magnitude de 3.8 às 11h16 deste domingo, hora local, a 10 quilômetros de profundidade.

Desde sábado (18),registraram-se mais de mil abalos, cinco dos quais de grau 3 ou superior, todos sentidos pela população, em sinal ineqíivoco de movimentos de magma, sucessivamente mais superficiais.

Um alerta de vigilância acrescida, de nível 2 em 4, tinha sido decretado quinta-feira (16), após a multiplicação de pequenos sismos sob o vulcão que “pode conhecer uma evolução muito rápida a curto prazo”, preveniu no dia anterior o governo regional do arquipélago em comunicado.

A lava está sendo expelida através de uma fissura na encosta do vulcão, e a atividade sísmica mantém-se, fazendo temer que a erupção possa agravar-se.

Os avisos de vulcão seguem um nível de risco, subindo do verde para o amarelo, laranja e vermelho. O atual nível amarelo implica que os residentes das zonas de risco devem ficar preparados para ser evacuados. A eles foi também solicitado que relatem aos serviços de emergência quaisquer vestígios de gases, cinzas, mudanças no nível da água ou pequenos sismos.

A erupção deste domingo é a primeira em La Palma desde outubro de 1971, quando o vulcão Teneguia expeliu lava durante três semanas. La Palma, com 85 mil habitantes, é uma das oito ilhas do Arquipélago das Canárias. No seu ponto mais próximo com a África, dista 100 quilômetros do Marrocos.

As Canárias estão a 460 quilômetros da ilha da Madeira, em Portugal, e a 1.428 quilômetros da Ilha do Sal, em Cabo Verde.

Uma semana de avisos

O Cumbre Vieja de La Palma é um dos complexos vulcânicos mais ativos das ilhas Canárias, sendo o responsável por duas das três últimas erupções nas ilhas, do Vulcão San Juan (1949) e do Teneguía (1971).

O Instituto Geográfico Nacional e o Instituto Vulcanológico das Canárias registraram, desde 11 de setembro, um importante acumulado de milhares de pequenos sismos na periferia do Cumbre Vieja, com epicentros a mais de 20 quilômetros de profundidade que, progressivamente, foram ascendendo à superfície.

Hoje de manhã, as autoridades começaram a evacuar as pessoas com problemas de mobilidade nas localidades dos municípios de El Paso, Los Llanos de Aridane, Villa de Mazo e Fuencaliente.

Desde que há registros históricos — desde a conquista das Canárias no século 15 — La Palma foi cenário de sete das 16 erupções vulcânicas ocorridas no arquipélago.

Um sismo de magnitude 3,8 foi hoje registrado à superfície. O Comitê Científico do Plano de Prevenção de Riscos de Vulcões alertou que os sismos mais fortes “poderão também causar danos nos edifícios”. “O comité dos especialistas científicos chamou ainda a atenção para a eventualidade de queda de rochas na costa sudoeste da ilha.”

Geólogos espanhóis rastrearam na última semana a formação de um “enxame de terremotos” ao redor de La Palma. Um enxame de terremotos é um agrupamento de terremotos numa área durante um curto período e pode indicar a aproximação de uma erupção.

Antes de uma erupção vulcânica dá-se um aumento gradual da atividade sísmica que pode prolongar-se por um largo período.

Lava e fumaça emergem após erupção de vulcão na Espanha
Vulcão entra em erupção na Espanha/, por Borja Suarez/Reuters/Direitos reservados

 

FONTE: Agência Brasil

Faça um comentário

Continue lendo...

Em alta