Ex-presidiário é morto a tiros ao tentar visitar esposa no Jorge Teixeira

Segundo levantamento da polícia, assassinato possui relação pela disputa de território do tráfico de drogas entre facções criminosas

0
464
O assassinato de Anderson Augusto Vidinha Nascimento, 33, na tarde desta segunda-feira (4), assustou os moradores da rua 10 de Junho, na comunidade Valparaíso, no bairro Jorge Teixeira, na Zona Leste de Manaus. Em menos de duas semanas, esse é o sétimo homicídio registrado na região.

Segundo levantamento da polícia, os assassinatos possuem relação pela disputa de território do tráfico de drogas entre facções criminosas – Comando Vermelho (CV) e Primeiro Comando da Capital (PCC), respectivamente, oriundas do Rio de Janeiro e São Paulo.

Após o motorista estacionar o veículo Ford/Ka, de cor vermelha e placa QZB-8A38, Anderson foi arrancado à força e arrastado para o meio da rua, onde um dos suspeitos efetuou os disparos. A vítima foi atingida com dois tiros na cabeça, três nas costas e três nas coxas.

Em seguida, um dos assassinos roubou o carro do motorista de transporte privado e outro fugiu em uma motocicleta, de características não reconhecidas. O profissional de App não ficou ferido na ação criminosa.

O corpo de Anderson foi removido para exames de necropsia no Instituto Médico Legal (IML). O motorista, que não teve a identidade revelada, foi conduzido para prestar esclarecimentos na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Outros crimes na região

O quarto dia de 2021 marcou a quarta morte por arma de fogo e a sétima em menos de um mês. A polícia suspeita que as execuções estão sendo por represálias. No dia 22 de dezembro do ano passado, Henrique Almeida Cruz, 41, vulgo “Panda”, ocorrido em plena luz do dia, com vários tiros enquanto pilotava uma motocicleta acompanhado da esposa.

O atentado ocorreu na avenida Brigadeiro Hilário Gurjão, no bairro Jorge Teixeira. Um homem, ainda não identificado, que dirigia um carro Onix vermelho, em aparelhou ao lado da motocicleta e efetuou os disparos à queima-roupa.

Ao ser ferido no rosto, abdômen e tórax, Henrique foi socorrido por populares e levado até o Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Dr. Platão Araújo, na mesma zona, onde morreu minutos depois. A vítima tinha passsagens por tráfico de drogas, associação para o tráfico, lesão corporal e porte ilegal de arma de fogo.

Em retaliação, Júnior Pantoja Batista, 38, conhecido como “Vovozinha”, foi assassinado a tiros na noite quarta-feira (30), na rua Belford Roxo, no bairro Jorge Teixeira. Os assassinos usaram um carro Ford/Ka preto e uma motocicleta vermelha. Após o ataque, os familiares levaram às pressas Júnior para o HPS Dr. Platão Araújo, onde já chegou morto. Conforme a polícia, a vítima fazia parte de uma facção criminosa e tinha passsagem por tráfico de drogas.

Uma hora depois, os autores do assassinato foram caçados pelos soldados de Júnior. Na rua Timbó, esquina com a rua Alarico Furtado, comunidade Valparaíso, Ellino Pedroza de Souza, 19, foi executado com cinco tiros.

Na mesma ação, outros dois homens que acompanhavam a vítima conseguiram fugir do ataque sem ferimentos. O jovem foi apontado por familiares de Júnior com um dos integrantes que participou do assassinato.

Em suposta nova represália, a comunidade Valparaíso voltou a ser palco da briga entre facções criminosas. No dia 1° de janeiro deste ano, três homens foram surpreendidos por seis homens fortemente armados e executados sem qualquer chance de defesa.

A ocorrência do triplo homicídio na rua e beco Paranacaxi mobilizou inicialmente policiais militares da 30ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom). Antônio Miranda da Silva Júnior, 27, foi encontrado na entrada do beco, com três marcas de tiros, sendo buchecha, peito e orelha. A vítima usava tornozeleira tornozeleira.

Em ato contínuo, os pistoleiros executaram Wilgleison Albertino Pereira Oliveira, 23, com um tiro na cabeça, e Crhistian Santos de Souza, 31, com quatro tiros, sendo tórax e cabeça.

No local do crime, a polícia obteve informações que os três homens assassinados estariam supostamente envolvidos na morte de Henrique Almeida Cruz, vulgo “Panda”. Outra dado obtido era que o grupo pretendia executar na mesma ação “Bocão”, um dos traficantes do Valparaíso.

Até o momento ninguém foi preso pela autoria dos ataques com mortes na comunidade Valparaíso. Os crimes estão sendo investigados pela DEHS, que trata a violência como briga entre integrantes de facções criminosas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here