Connect with us

Política

Ação conjunta do Estado e município cria hospital de campanha em Guajará-Mirim

Publicado em:

on

A Unidade Covid-19, hospital de Campanha em Guajará-Mirim, entrou em funcionamento na quinta-feira (4) por meio de uma ação conjunta da força-tarefa do Governo de Rondônia e prefeitura. Estão disponíveis 15 leitos clínicos e dois semi-UTI, a obra foi executada dentro dos padrões de biossegurança. A estrutura está inserida no complexo hospitalar que contempla também os hospitais Regional Perpétuo Socorro e o Bom Pastor.

‘‘Era um prédio que antes funcionava a maternidade, mas que no ano passado passou por reforma para transformação em Caps. Chegando a pandemia, o município decidiu usar como hospital de campanha. É uma estrutura bem ampla, com característica hospitalar’’, atesta o enfermeiro e coordenador regional da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), Jarbas Bandeiras.

‘‘Esse hospital está bem estrutura, pois tem a sala de paramentação e desparamentação, internação masculina e feminina, isolamento para casos suspeitos, para não haver infecção cruzada, e ambientes para repouso das equipes’’, reforça a diretora Executiva do Hospital Regional, Cleymara Lopes da Silva, destacando que a unidade ainda possui capacidade de ampliar o número de leitos, chegando até a 40.

A equipe técnica do governo orientou os profissionais de saúde quanto às diretrizes eficazes no enfrentamento à doença. ‘‘A nossa força-tarefa fez orientação multiprofissional, organização do hospital, com a definição das funções de cada setor e departamento, distribuição de categorias em escalas, treinamento no uso de respiradores e capacitação quanto à paramentação e desparamentação dos profissionais’’, afirma o coordenador.

Além de ceder profissionais para auxiliar nas orientações de enfrentamento à pandemia no município, a obra de ajuste da estrutura também foi custeada pelo Estado. Foram repassados R$ 231.681,57, sendo R$ 95.454,42 do fundo estadual para o municipal e o Estado autorizou o repasse de outros R$ 136.227,15 direto do fundo nacional ao fundo municipal.

Outros R$ 550 mil estão disponíveis para o hospital, recurso de emenda parlamentar do deputado estadual Jair Montes, aguardando a apresentação de projeto do município.

Guajará-Mirim está entre os três municípios com maior índice de incidência de casos por habitante. Conforme o último boletim,  o município possui  289 casos confirmados e registra 21 óbitos.

Faça um comentário

Política

Presidente destaca, na ONU, ações do Brasil na transição energética

Publicado em:

on

Pronunciamento foi gravado para o Diálogo de Alto Nível sobre Energia

Após discursar na Assembleia Geral da Organizações das Nações Unidas (ONU) no início da semana, o presidente Jair Bolsonaro voltou a participar, nesta sexta-feira (24), de um evento multilateral. Em vídeo gravado, o presidente participou do Diálogo de Alto Nível sobre Energia. O evento foi convocado pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, para tratar exclusivamente do tema geração de energia com vistas à redução das emissões de carbono e cumprimento do Acordo de Paris sobre o clima.

Em pronunciamento que durou pouco mais de 5 minutos, Jair Bolsonaro lembrou que a matriz energética da maioria dos países, baseada majoritariamente em fontes fósseis, é a principal responsável pela mudança do clima que vivemos hoje, e destacou o protagonismo do Brasil na geração de energia por meio de fontes renováveis.

“O Brasil tem, de longe, a matriz energética mais limpa dentre as grandes economias do mundo. Mais de 47% da nossa matriz energética, e mais de 80% da nossa matriz elétrica, são renováveis. Somos exemplos de transição energética, processo que, no Brasil, teve início nos anos 1970”.

Em janeiro deste ano, quando a ONU lançou o Diálogo de Alto Nível sobre Energia, o Brasil foi selecionado como país líder no tema da transição energética, um dos eixos centrais da iniciativa. Segundo Bolsonaro, ao longo desse período de interlocução multilateral, o Brasil estabeleceu “intensa interação” com parceiros e participou ativamente dos trabalhos técnicos.

“Na transição energética global, para a qual temos dado contribuição significativa como país, não há receita única. Todas as fontes de energia limpa e todas as tecnologias disponíveis, terão papel importante na transição”, enfatizou o presidente.

Bolsonaro ainda destacou ações do Brasil para conter as mudanças climáticas e a emissão de carbono na atmosfera.

“Por meio do pacto em biocombustíveis, assumimos o compromisso de reduzir, voluntariamente, 620 milhões de toneladas de emissões de carbono em 10 anos, considerando apenas o setor de combustíveis de transporte”.

FONTE: Agência Brasil

Edição: Fernando Fraga

Faça um comentário

Continue lendo...

Política

Senador Jorginho reage e enfrenta Renan na CPI após insulto: ‘lava a boca, ladrão picareta´; veja vídeo

Publicado em:

on

Brasil – O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), e o senador Jorginho Mello (PL-SC), bateram boca na sessão desta quinta-feira, (23). A confusão começou quando Jorginho interrompeu a fala de Renan para defender o presidente Jair Bolsonaro e o empresário Luciano Hang, que foram duramente atacados por Renan Calheiros que não gostou de ser interrompido e o clima esquentou.

Veja o vídeo:

 

Faça um comentário

Continue lendo...

Política

PEC: Senado aprova flexibilização de gastos na educação em 2020 e 2021

Publicado em:

on

Justificativa para aprovação da PEC é que a pandemia obrigou a suspensão de aulas e o redirecionamento de verbas para a área da saúde

O Senado aprovou nesta terça-feira (21), em segundo turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 13, cuja votação iniciou na semana passada. A PEC livra de punição os estados e municípios que não investiram em 2020 e 2021 a porcentagem mínima de recursos resultantes de impostos exigida pela Constituição em educação. Agora, o texto segue para votação na Câmara dos Deputados.

A justificativa para aprovação da PEC é que a pandemia, que obrigou a suspensão de aulas e, ao mesmo tempo, o redirecionamento de verbas para a área da saúde, impediu prefeitos de investirem em educação uma porcentagem mínima prevista em lei. Por conta da suspensão de aulas presenciais, gastos com transporte escolar e merenda, que não foram necessários.

“Nesse prisma, o gestor, para alcançar o piso de investimento, teria que praticamente inventar despesas, o que poderia levar ao desperdício dos recursos públicos”, defendeu a relatora da PEC, Soraya Thronicke (PSL-MS), durante as discussões da PEC ainda em primeiro turno, na semana passada.

A Constituição determina que a União aplique em educação pelo menos 18% e estados e municípios pelo menos 25% do total de receitas vindas de impostos. Caso a PEC não seja aprovada no Congresso, os gestores que não aplicaram o mínimo previsto podem sofrer penalidades cíveis ou criminais, além de sanções administrativas. Segundo levantamento da Consultoria do Senado, no entanto, apenas 280 municípios não cumpriram com a destinação mínima. Isso representa 5% do total de municípios do país.

Segundo argumentou Soraya Thronicke em seu parecer, a pandemia causou impacto no orçamento dos entes federativos, em virtude da queda de arrecadação, redirecionamento de recursos para a saúde e adoção de medidas de apoio econômico para amenizar o desaquecimento da atividade produtiva.

A medida só vale para os exercícios de 2020 e 2021. “Após a retomada das atividades econômicas, a responsabilização pelo descumprimento da vinculação constitucional de recursos para a educação volta a vigorar”, disse Thronicke em seu parecer. Além disso, a PEC determina que os gestores que não aplicaram a porcentagem mínima de recursos, deverão investir essa verba não utilizada até 2023.

A PEC é fruto de uma demanda da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). Segundo a entidade, não há como penalizar gestores pelo não cumprimento dos 25%, diante de um cenário que apresentou receita crescente, em contraste com o congelamento de despesas com pessoal e aulas ainda não totalmente retomadas em muitas escolas.

Faça um comentário

Continue lendo...

Em alta