Caso Bernardo: pai vira réu por homicídio triplamente qualificado

Paulo Roberto de Caldas Osório também vai responder por ocultação de cadáver

0
101

A Justiça do Distrito Federal acatou denúncia do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) contra Paulo Roberto de Caldas Osório. Ele, agora, é réu por ter matado o próprio filho, Bernardo, e ocultar o cadáver da criança.

Em 29 de novembro de 2019, o funcionário do Metrô-DF pegou o menino de 1 ano e 11 meses na escola e deu à criança, misturado ao suco, alta dose de hipnótico. Quando Bernardo começou a passar mal, Paulo Roberto o colocou em seu veículo e o conduziu em direção à saída norte de Brasília. Como já estava no horário de entregar a criança para a mãe, com intenção de retardar qualquer reação por parte dela, enviou-lhe mensagem afirmando que chegaria em breve.

Ao constatar que o filho estava morto, ele deixou o corpo em um matagal às margens da BR-242, no povoado Campo de São João, zona rural do município de Palmeiras (BA).

De acordo com a denúncia, o homicídio foi cometido como forma de retaliar a mãe e a avó materna da vítima. Ele estava insatisfeito com elas em razão do pagamento de pensão alimentícia e da forma como foram estabelecidas as visitas.

O réu aproveitou o período no qual ficava sozinho com a criança para consumar o plano criminoso.

A Promotoria de Justiça do Tribunal do Júri sustenta três qualificadoras para o homicídio: motivo torpe, emprego de meio insidioso e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Por ter sido praticado contra descendente menor de 14 anos, a pena de Paulo pode ser aumentada em caso de condenação.

Paulo Roberto também foi denunciado por ocultação de cadáver com duas agravantes: motivo torpe e crime praticado contra descendente menor de 14 anos. O corpo da criança só foi localizado em 5 de dezembro de 2019, pois ao ser preso, ele indicou local diverso de onde havia abandonado o cadáver.

O homem está preso na Papuda.

1.035 km

Provas colhidas ao longo da investigação indicam, segundo a Polícia Civil, que Paulo Roberto de Caldas Osório matou o filho antes mesmo de pegar a BR-020 em direção à Bahia. O metroviário confessou que deu uma superdosagem de medicamento controlado para o garoto, que começou a passar mal na casa do pai, na 712 Sul.

O assassino confesso percorreu 1.035 km com o corpo até o Povoado Campos de São João, zona rural do município de Palmeiras (BA), onde o jogou às margens da BR-242, com a cadeirinha infantil.

“Ele comprou um conjunto de roupa para a criança. É a mesma que Bernado usava quando foi encontrado morto por um morador do município baiano. As vestimentas não foram reconhecidas pela família da mãe”, disse o delegado-chefe da DRS, Leandro Ritt.

O servidor do Metrô saiu de casa, na Asa Sul, às 20h52 de sábado (29/11/2019), e deixou a televisão ligada. Não levou mantimentos, mala e um tablet que, de acordo com a mãe, era objeto inseparável do filho. “Acreditamos que até mesmo essa troca da roupa foi premeditada para dificultar a identificação do corpo”, acrescentou o investigador.

As diligências apontam que às 21h20 de sexta-feira (29/11/2019) Paulo passou em um radar na Ponte do Bragueto, na Asa Norte. Dirigiu pela BR-020 até Luís Eduardo Magalhães, na Bahia. “Lá, pernoitou com o menino morto no carro”, disse o delegado. O corpo foi desovado na região de Palmeiras. No sábado (30/11/2019), o homem foi até Salvador. Depois, acabou preso em Alagoinhas (BA).

Com a conclusão do exame de DNA, que confirmou ser de Bernardo o corpo encontrado na Bahia, a Polícia Civil deu as investigações por encerradas. O delegado Leandro Ritt garante que o pai agiu sozinho.

Em tempo recorde, o Instituto de Pesquisa de DNA Forense (IPDNA) da Polícia Civil do DF concluiu, por meio de exames genéticos, a identificação do corpo localizado na Bahia. Com técnicas avançadas, o trabalho foi realizado em menos de seis horas.

Amostras biológicas colhidas em Itaberaba (BA), onde o corpo estava, chegaram a Brasília na aeronave da PCDF. O material foi trazido pela equipe da DRS e entregue ao médico-legista e diretor do IPDNA, Samuel Ferreira.

Os exames que comprovaram a identidade do menino Bernardo foram concluídos em cinco horas e 30 minutos. Samuel disse que foram feitos com base em tecidos moles do corpo, que já estava em avançado estado de decomposição. Os peritos compararam uma amostra da cartilagem do joelho de Bernardo com a saliva da mãe e do pai. “Não temos dúvidas sobre a identidade”, destacou o diretor do IPDNA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here