Polícia procura suspeito de atear fogo em homem que dormia na rua

Segundo familiares, Francisco Mesquita Valero é alcoólatra e tem o costume de passar a noite fora de casa

0
184

Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) investiga uma tentativa de homicídio praticada contra um homem de 56 anos que dormia na rua. Segundo a ocorrência policial registrada na 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia Centro), Francisco Mesquita Valero estava deitado perto de uma lanchonete, no centro de Ceilândia, quando um indivíduo, ainda não identificado, ateou fogo ao corpo dele.

O crime ocorreu na noite de 30 de agosto. Familiares de Francisco explicaram ao Metrópoles que ele é alcoólatra e tem o costume de dormir fora de casa. À PCDF, a filha da vítima disse que o pai dormia nos arredores de um comércio quando “acordou com o corpo já em chamas”.

De acordo com o depoimento, ela soube do episódio após receber uma ligação de médicos do Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Eles disseram que o pai dela estava internado na unidade pública de saúde com 30% do corpo queimado.

Desde então, Francisco segue no Hran em recuperação. Ele foi levado ao hospital após populares acionarem o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para prestar socorro. A PCDF chegou a ouvir pessoas que trabalham próximo ao local do crime, mas ninguém soube indicar quem teria cometido o crime.

Outro caso

Em abril deste ano, um morador de rua precisou ser socorrido após ter 36% do corpo queimado enquanto dormia embaixo de uma marquise, na Quadra 5 do Setor Central do Gama. A vítima sofreu queimaduras de segundo e terceiro graus.

Identificado como Valdiran da Silva Mota, o homem estava ao lado de outros moradores de rua, quando um carro preto com dois indivíduos parou ao seu lado. Os suspeitos desceram do veículo, jogaram álcool no corpo da vítima e atearam fogo, de acordo com depoimentos de testemunhas.

Em seguida, os acusados fugiram do local, segundo a PCDF. Os demais moradores de rua, então, apagaram as chamas e acionaram o Corpo de Bombeiros para o socorro. As áreas mais atingidas foram a face, os membros superiores e o tronco da vítima.