Operação da PC e PM prende acusados de crime de pistolagem contra empresário José Bento, o popular Periquito, em Tarilândia

Cumpre ressaltar, ainda, que, no momento da fuga, os executores do crime deixaram cair o carregador da pistola supostamente utilizada para realizar os disparos.

0
322

A Polícia Civil de Jaru, através do Departamento de Homicídios, com apoio da Polícia Militar, realizou na manhã desta sexta-feira (31) uma operação que resultou na prisão de quatro pessoas acusadas de se organizarem com a finalidade de cometer crime de pistolagem.

O crime de pistolagem é uma expressão usada no Nordeste do país para os assassinatos encomendados em troca de dinheiro. Dezenas de policiais civis e militares participaram da operação e cumpriram mandados de prisões e de busca e apreensão em propriedades rurais no distrito de Tarilândia e no município de Machadinho do Oeste.

Quatro pessoas foram presas, acusadas de serem responsáveis pela morte do empresário do ramo de agropecuária em Tarilândia, José Bento da Silva, o popular Periquito. O crime aconteceu no dia 26 de abril e desde então a Policia Civil assumiu as investigações, trabalhando diuturnamente através de um forte serviço de inteligência e conseguiu localizar e prender os suspeitos desse crime.

O motivo que levou a mercancia da vida do empresário não foi divulgado para não atrapalhar as investigações. Periquito, como era carinhosamente conhecido, era uma pessoa muito querida, o crime causou grande comoção popular. Entre os presos na operação, segundo a Polícia Civil, estão W.J.deS. o popular “Paulistão”, o pecuarista é acusado de ser o mandante do crime.

A segunda pessoa presa nessa escala criminosa foi Lucas, o popular “Preá”. As investigações apontam que o papel de Lucas foi contratar os pistoleiros e fornecer a arma, uma pistola calibre 9mm e uma motocicleta. Ele seria supostamente a ponte entre mandante e executores. Amarildo Junior foi preso pela PC em uma propriedade rural em Machadinho e confessou sua participação. Amarildo teria dito que atirou na vítima e em troca receberia R$ 2.500,00 pelo serviço.

Após o crime, segundo a Polícia, Amarildo teria fugido em uma motocicleta Tornado vermelha de placa NDX-9411, que no dia do crime teve a numeração adulterada com fita isolante para 9477 e que era pilotada pelo seu comparsa, Walisson, o popular “Borrachinha”. Amarildo teria confirmado ainda que o crime foi encomendado por Preá, pelo total de R$ 5 mil e que ele dividiria esse dinheiro com a dupla de pistoleiros.

A motivação do crime seria uma suposta dívida de alto valor que Paulistão teria com Periquito, e teria contratado os assassinos para executarem o credor. O grupo será conduzido ao Hospital Municipal e depois encaminhado à Casa de Detenção de Jaru, onde ficará à disposição da Justiça.

ENTENDA A OPERAÇÃO

No dia 31 de maio de 2019, nesta circunscrição, as equipes formadas pelos Policiais Civis, lotados na 1° Delegacia de Polícia Civil de Jaru, na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) de Jaru e na 1° Delegacia de Polícia Civil de Machadinho D’Oeste, com o apoio dos Policiais Militares, lotados no 8° Batalhão da Polícia Militar, situado neste Município, inclusive da equipe de Patrulhamento Tático Móvel (PATAMO), realizaram o cumprimento de 04 (quatro) mandados de busca e eventual apreensão, sendo 03 (três) na Zona Rural do Distrito de Tarilândia e 01 (um) na Zona Rural do Município de Machadinho D’Oeste, e 02 (dois) mandados de prisão temporária em desfavor de W.G.R., também conhecido como “Borracha” ou “Borrachinha”, e W.J.deS., também conhecido como “Paulistão”.

Com o cumprimento dos referidos mandados, encerra-se hoje uma série de diligências que estavam sendo, pouco a pouco, executadas desde a semana passada, como, por exemplo, os cumprimentos dos mandados de busca e apreensão e prisão temporária dos investigados Amarildo R.dosR.J., também conhecido como “Junior” ou “Juninho”, e Lucas R.C.S., vulgo “Preá”, ocorridos nos dias 23 e 24 de maio do corrente ano.

A presente operação está umbilicalmente ligada à investigação policial instaurada para apurar a ocorrência do crime de homicídio qualificado, tipificado no artigo 121, § 2°, inciso I, do Código Penal.

Em apertada síntese, há fortes indícios de que, no dia 26 de abril de 2019, por volta das 21h, os investigados Amarildo e Walisson, adentraram no estabelecimento comercial denominado “Bar do PT”, localizado na Rua Francisco Vieira de Souza, centro, no Distrito de Tarilândia, em Jaru, oportunidade em que o primeiro (Amarildo), com intenção de matar, disparou diversas vezes contra José Bento da Silva, levando-o a morte.

Cumpre ressaltar, ainda, que, no momento da fuga, os executores do crime deixaram cair o carregador da pistola supostamente utilizada para realizar os disparos. Devidamente recolhido, o mencionado carregador foi encaminhado à Coordenadoria de Pericias Papiloscópicas, Necropalpiloscópicas e retrato falado, oportunidade em que, após identificação de impressões digitais e confrontação, pode-se verificar “(…) inequivocamente que o fragmento 01 (peça questionada) foi produzido pelo polegar esquerdo de Amarildo R.dosR.J.”, ora investigado.

A par disso, também existem indícios de que o investigado W.J.deS, através do coinvestigado Lucas, contratou, mediante pagamento em dinheiro, os executores do homicídio (Amarildo e Walisson), bem como forneceu as armas e a motocicleta utilizadas para a consecução do multicitado delito.

Durante o cumprimento dos mandados de busca, incluindo àqueles cumpridos na semana passada, foram apreendidas 05 (cindo) arma de fogo, tipo espingarda, e porções de substâncias aparentemente entorpecentes, sendo lavrados os respectivos autos de prisão em flagrante.

E, finalmente, deve-se destacar que o presente trabalho apenas foi possível devido à imprescindível atuação de todos os órgãos incumbidos com a persecução criminal, notadamente à Coordenadoria Regional de Criminalística de Jaru e à Coordenadoria de Pericias Papiloscópicas, Necropalpiloscópicas e retrato falado.

Fonte: Anoticiamais