Fluminense vence o Boavista com direito a gol de letra e cobertura

Com a vitória, o time de Fernando Diniz fica em situação tranquila de olho em uma vaga à semifinal da Taça Rio

0
42

Diante de um rival que não ofereceu perigo, o Fluminense fez o seu dever de casa e bateu o Boavista por 3 a 0, com gols de Márcio Costa (contra) e de Luciano, que marcou um gol de letra e outro por cobertura.

O jogo foi muito tranquilo para o Fluminense, que não teve resistência em momento algum no estádio Elcyr Resende. Com a vitória, o time de Fernando Diniz fica em situação tranquila de olho em uma vaga à semifinal da Taça Rio.

Após o triunfo em Bacaxá, o Flu encara no domingo o rival Botafogo, às 19h, no Maracanã.

LUCIANO FATAL

O atacante segue sendo protagonista tricolor na atual temporada. Com um gol de letra e outro por cobertura, o jogador se destacou no confronto contra o Boavista. Além das bolas na rede, ele se movimentou e deu opções de passe para os companheiros.

DOMÍNIO TRICOLOR

Aos 3 minutos, o Fluminense foi logo beneficiado com um presentão de Márcio Costa, que colocou para dentro uma bola que veio de um escanteio cobrado por Caio Henrique pelo lado esquerdo.

Com a vantagem, a equipe teve toda calma do mundo para impor o seu jogo de aproximação e toque de bola. Ante um rival muito frágil, o Fluminense deu a impressão de que ganharia com facilidade e faltou um pouco de ímpeto para ampliar o marcador.

Não fosse em defesa após boa falta cobrada por Carlos Alberto, Rodolfo sequer teria sido notado em campo. Foi só o Fluminense apertar que conseguiu o segundo. O lateral Gilberto tentou, mas esbarrou no goleiro. Na sobra, Everaldo cruzou para Luciano, que completou de letra para o gol.

VITÓRIA CONSOLIDADA

Cheio de gás, o time das Laranjeiras voltou ao segundo tempo e logo liquidou a fatura. Aos 6min, Elivélton deu um chutão, a bola bateu em Luciano e encobriu Rafael e marcou um “golaço sem querer”.

Com a vitória encaminhada, os tricolores administraram o ritmo do jogo e claramente dosaram energias. Com o calendário apertado, o técnico Fernando Diniz aproveitou para dar descanso a nomes como Gilberto, Airton e Ganso.

O Boavista até tentou sair um pouco para o jogo, mas esbarrou em suas limitações. Com os três pontos na mão, o time tricolor fez o tempo passar e só aguardou o apito final do juiz João Batista de Arruda.

APAGÃO

Minutos antes de a bola rolar, um apagão derrubou boa parte do sistema de iluminação do estádio. O problema durou 20 minutos e atrasou um pouco o início da partida na Região dos Lagos.

REENCONTRO

O Boavista versão 2019 é repleto de ex-jogadores do Fluminense. No jogo desta noite, nada menos que cinco atletas que passaram pelas Laranjeiras iniciaram o jogo: Rafael, Wellington Silva, Elivelton, Carlos Alberto e Tartá.

Deste quinteto, Carlos Alberto foi o que teve passagem mais marcante no Flu. Mas isso não livrou o meia de muitas provocações durante o jogo. Visivelmente acima do peso, ele foi provocado pelos torcedores que ficaram no alambrado do estádio.

Um deles não perdoava a cada toque na bola: “está gordinho, Carlos Alberto”. No jogo, o camisa 19 apareceu em muitas reclamações e ao cobrar falta bem defendida por Rodolfo.

PLANTÃO MÉDICO

Antes de a bola rolar, o clube teve uma má notícia. Com uma fratura na fíbula diagnosticada, o zagueiro Digão deve ficar ao menos dois meses fora de combate. A princípio, o jogador não será submetido a cirurgia.

ARTILHEIRO EVOLUI

Se Digão será baixa por um bom tempo, o atacante Pedro está em reta finalíssima de recuperação de uma cirurgia no joelho. Fora desde agosto do ano passado, o jogador vem intensificando os trabalhos com bola e a expectativa é que ele atue ainda no Carioca.

BOAVISTA

Rafael; Wellington Silva, Douglas Pedroso, Elivelton e Márcio Costa; Júlio César, Thiago Silva e Carlos Alberto (Stephanno); Mosquito (Renan Donizete), Tartá e Leandrão (Pachu). Técnico: Eduardo Allax

FLUMINENSE

Rodolfo, Gilberto (Ezequiel), Léo Santos, Matheus Ferraz e Caio Henrique; Airton (Allan), Bruno Silva e Ganso (Daniel); Everaldo, Luciano e Yony González. Técnico: Fernando Diniz

Estádio: Elcyr Resende, em Bacaxá (RJ)

Árbitro: João Batista de Arruda

Auxiliares: Thiago Gomes Magalhães e João Luiz Coelho de Albuquerque

Cartões amarelos: Carlos Alberto (BOA); Everaldo e Airton (FLU)

Gols: Marcio Costa (contra), aos 3min, e Luciano, aos 38min do primeiro tempo; Luciano, aos 6min do segundo tempo. Com informações da Folhapress.