VEJA FOTOS E VÍDEO: Rio Madeira transborda e deixa ruas e comércios alagados na região central de Porto Velho

Foi devido a forte chuva nessa madrugada que fez com que o Rio Madeira invadisse as Ruas e o comércio no centro de Porto Velho...

0
301

Devido a forte chuva que aconteceu nesta madrugada de sexta-feira (01), o Rio Madeira atingiu seus 16 metros e 95 centímetros deixando várias ruas e o comércio alagados na região central de Porto Velho fechado por conta da cheia do Rio Madeira que está faltando pouco para atingir sua marca de 17 metros. A avenida Rogério Weber foi isolada pela defesa Civil Municipal que tiveram bastante trabalho pela manhã para retirar moradores atingidos dos bairros Baixa União, Triângulo e Caí N’àgua na região central.

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM), a cota está entre as 10% mais altas já registradas neste ano e acima da média histórica para o período. Apesar disso, o órgão considera ainda ser cedo para dizer que esta será a terceira maior enchente já registrada em Porto Velho. De acordo com o engenheiro hidrólogo, todos os anos o Rio Madeira atinge seu pico entre os meses de março e abril, recebendo as águas dos rios Beni e Mamoré, que mantém um comportamento considerado estável, com elevação e recuo de forma leve.

No entanto, a previsão é que o Mamoré aumente ainda mais, sem baixar até o final de abril. No Rio Beni, a subida tem um comportamento mais abrupto, onde sobe e desce mais rápido. Como continua chovendo em território boliviano, as águas estão descendo, mas não é possível saber como será essa chegada em Porto Velho, pois as estações da CPRM ainda não registraram os dados.

“A gente só tem essas estações quando chega na divisa da Bolívia para nosso estado. Essas águas que caíram semana passada ainda não chegaram, mas quando chegar a gente emitirá um boletim de alerta que vale de dois a três dias”, informou Hérculys Castro. Em média, essas águas demoram de cinco dias ou mais para chegar a Porto Velho. “Se for da bacia do Rio Beni demora cerca de duas ou três semanas. Já as águas que vêm Rio Mamoré, a vazão é mais lenta demorando mais tempo para chegar”, afirmou Hérculys Castro.

Com essa influência, o nível do Rio Madeira deve subir ainda mais, mas também depende de como vai ser feito a operação com as usinas hidrelétricas, para saber o efeito que vai ter na Capital.

Outras localidades

Na região de Pimenteiras, onde passa o Rio Guaporé, a cota registrada pela CPRMA foi de 6,66 metros considerada dentro do normal até o momento.

Na região de Costa Marques, próximo ao Forte Príncipe da Beira, onde também passa o Rio Guaporé, a cota registrada foi de 11,89m. Segundo o CPRM, está abaixo da cota de alerta e de inundação que é de 13,50 metros.

Em Guajará-Mirim, o Rio Mamoré registrou a cota de 10,77 metros. A cota de inundação é de 11,10 metros.

FOTOS: REDES SOCIAS